Bom pessoal nessa segunda parte do artigo irei falar sobre alta disponibilidade com Hyper-V.

Como vimos na parte 1 desse artigo o Hyper-V é a solução de virtualização da Microsoft embutido com Windows server 2008, como em qualquer ambiente virtual temos sempre que nos preocupar com a alta disponibilidade do ambiente. Pois imagine sua infra-estrutura toda em apenas um servidor físico com o Hyper-V fazendo a virtualização de todo ambiente (AD, DNS, DHCP, FILE SERVER, WSUS, ETC…), se seu servidor físico parar por algum motivo, irá parar todo seu ambiente, e como administradores de redes um dos nossos objetivos é exatamente manter tudo funcionando, ou pelo menos deveria ser..rss

Vamos falar de duas tecnologias do Hyper-V para alta disponibilidade, o Quick Migration e o Live Migration.

 

Quick Migration

Com o Quick Migration, você pode rapidamente migrar uma maquina virtual em execução de um servidor físico para outro com o tempo de inatividade mínimo.

Antes de explicar como isso ocorre vamos as pre-requisitos para fazer o Quick Migration:

Duas maquinas físicas configuradas em cluster, uma storage, cada maquina com no mínimo duas placa de rede, e os requisitos para instalação do Hyper-V como descrito na primeira parte do artigo.

Para uma migração planejada, o Quick Migration salva o estado de uma maquina virtual em execução (memoria do servidor original para o disco / armazenamento compartilhado), move-se a conectividade de armazenamento de um servidor físico para outro, e em seguida, restaura a maquina virtual para o segundo servidor (disco / armazenamento compartilhado para a memoria do segundo servidor). A velocidade da migração depende de quanta memoria precisa ser escrita para o disco, e sobre a velocidade da conexão ao armazenamento. Em geral a migração leva apenas alguns segundos.

 

Live Migration

O Live Migration é integrado com Windows Server 2008 R2 Hyper-V e Microsoft Hyper-V Server 2008 R2. Com ele você pode mover maquinas virtuais em execução de um servidor físico para outro sem qualquer interrupção de serviço ou tempo de inatividade percebidos.

O Live Migration move as maquinas virtuais em execução sem impacto de disponibilidade para os usuários. Por pre-copiar a memoria da maquina virtual migrada para o destino, o Live Migration minimiza o tempo de transferência da VM.

O Live Migration é determinística, o que significa que o administrador, ou script, que inicia o Live Migration pode controlar qual computador é o destino do Live Migration.

Os pre-requisitos do Live Migration é praticamente os mesmos do Quick Migration, com exceção que o Live Migration só tem suporte com o Hyper-V R2.

Como o Live Migration Trabalha

O processo do Live Migration move uma VM de um host físico para outro o mais rápido possível. O Live Migration é iniciado por um administrador através de um dos métodos listados abaixo:

  • Usando o console de gerenciamento do cluster failover
  • O Virtual Machine Manager
  • A WMI ou Script PowerShell

A velocidade do processo é parcialmente dependente do hardware utilizado para origem e destino de computadores físicos, bem como a capacidade da rede.

Depois de iniciar o Live Migration, os seguintes processos ocorrem:

  1. Live Migration Setup

Durante a fase de instalação do Live Migration (Figura 1), a fonte de origem cria uma conexão TCP com o destino. Esta conexão transfere os dados    de configuração da VM para o destino. Um esqueleto VM está configurada no host de destino físico e memória é alocada para a máquina virtual de destino.

    2.    Memoria paginada é transferida do no de origem para o no de destino

A segunda fase do Live Migration, é onde a memoria atribuída a migração da VM é copiada através da rede para o host de destino.

Por exemplo, suponha que uma VM chamada SRV-01 configurado com 1024 de memoria RAM está sendo migrada para outro host Hyper-V físico. A todo 1024 MB de memoria RAM atribuído a essa VM é o conjunto de trabalho do SRV-01. As paginações utilizadas no SRV-01 (conjunto de trabalho) são copiados para o host Hyper-V físico de destino.

Além de copiar o conjunto de trabalho do SRV-01 para o host de destino, o Hyper-V no host de origem monitora a paginação para o grupo de trabalho do SRV-01.

As memorias paginadas são modificadas pelo SRV-01, elas são monitoradas e identificadas como modificadas. A lista de paginação modificadas é simplesmente a lista de memorias paginadas que o SRV-01 alterou apos a copia do seu conjunto de trabalho.

Durante essa fase da migração, a VM continua em execução. O Hyper-V repete o processo de copia de memoria varias vezes, cada vez um numero menor de paginação modificadas terão de ser copiadas para o host de destino.

    3.    Transferência da memoria paginada

A terceira fase é um processo de copia de memoria que duplica o restante de memoria paginada modificada para SRV-01, para o destino físico. O host de origem transfere o registro e o estado da VM para o host de destino.

Durante essa fase, a largura de banda disponível entre a origem e o destino é fundamental para a velocidade do Live Migration, e utilizando Gigabit ethernet ou mais rápido se torna importante.

Apos as memorias paginadas modificadas serem completamente copiadas para o destino, o destino físico tem um conjunto de trabalho up-to-date para SRV-01. O conjunto de trabalho do SRV-01 está agora presente no host de destino, o estado exato em quando estava no SRV-01 quando começou  processo de migração.

    4.    Movendo dados da storage da origem para o destino

Durante o quarto estagio do Live Migration, os dados da storage associado com o SRV-01, como todos os arquivos VHD ou passagens de disco é transferida para o destino.

    5.    A maquina virtual é colocada online no servidor destino

A quinta fase do Live Migration, o servidor de destino tem agora o conjunto de trabalho up-to-date para SRV-01, bem como acesso a qualquer dados da storage utilizado pelo SRV-01

    6.    Limpeza da rede

A migração da VM é executada no servidor de origem em fase final do Live Migration. Neste ponto uma mensagem é enviada ao switch da rede física o que faz ele re-aprender os endereços MAC da VM migrada para que o trafego de rede e de SRV-01 possa usar a porta e opção correta.

O processo do Live Migration se conclui em menos tempo do que o intervalo de tempo limite TCP para a VM a ser migrada. Intervalos de tempo limite TCP vaia com base na topologia da rede e outros fatores. Estas variáveis pode afetar a velocidade do Live Migration:

  • O numero de paginas modificadas na VM, quanto mais memoria paginadas modificadas mais tento irá demorar a migração
  • Largura de banda entre os hosts de origem e destino
  • Configuração de hardware dos servidores de origem e destino
  • Largura de banda (Rede ou Fiber Channel) entre hosts Hyper-V físico e a storage compartilhada

Só lembrando que o Live Migration só esta disponível no Hyper-V R2, e o Quick Migration esta disponível nas duas versões.